Cambará Remates de Qualidade

Sinônimo de confiança,

credibilidade e segurança

Cabanha Ave Maria Alianza del Pastizal Cabanha da Corticeira Cabanha Santa Clara Cabanha São Fernando Cabanha São Xavier Capiati Agropecuária Estância da Barragem Estância do Silêncio - Quarai Estância Ibicuy Estância Luz de São João Estância Pitangueira Estância Santa Cecília Estância Silêncio JMT Agropecuária Núcleo Gabrielense de Hereford e Braford Tradição Azul WD Propaganda x Oeste Rural x Sicredi x Sindiler Agropecuária São Pedro Fazenda São Manoel Conexão Pampa Carne de Pastizal Alianza del Pastizal Estância Guarita

Mapa divulga balanço do agronegócio 2015

Data: 12/01/2016

Mapa divulga balança do agronegócio 2015; participação do setor agrícola chegou a 46,2%

Complexo Soja teve destaque com exportação de 54,32 milhões de toneladas do grão, maior quantidade já registrada na história

 

A quantidade de soja em grão, milho, frango in natura, café e celulose vendidos ao exterior em 2015 registrou recorde na série histórica da balança comercial do agronegócio, iniciada em 1997. A informação foi divulgada nesta segunda-feira, 11, em entrevista coletiva, pela secretária de Relações Internacionais do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tatiana Palermo.

O volume exportado de soja em grãos cresceu 19% em relação a 2014 e chegou a 54,32 milhões de toneladas, maior quantidade registrada na história. Os demais recordistas são o farelo de soja, com 14,8 milhões de toneladas vendidas para o exterior (aumento de 8%); o milho, que alcançou 28,9 milhões de toneladas (crescimento de 40%); o café, com 2,09 milhões de toneladas (1%), a carne de frango in natura, com 3,89 milhões de toneladas (7%) e a celulose, com 11,97 milhões de toneladas (8%).
Outros itens importantes para o agronegócio brasileiro registraram aumento no volume exportado em relação a 2014, como álcool (34%), frutas (17%), papel (14%), cacau e derivados (12%) e carne suína (10%).

Carne bovina

A exportação brasileira de carne bovina in natura e processada caiu 12% em 2015 ante o ano anterior, para 1,361 milhão de toneladas. Em 2014, 1,54 milhão de toneladas foram vendidas ao exterior. A receita cambial foi de US$ 5,79 bilhões, queda de 19% na mesma comparação. Os dados são da Secex, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), compilados pela Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo).

Entre os principais importadores do Brasil, as maiores quedas no volume de compras foram da Venezuela (-44%), Rússia (-43%), Hong Kong (-32%). Já os países que apresentaram crescimento expressivo nas suas importações foram o Irã (59%) e o Egito (18%).

Para 2016, a Abrafrigo prevê crescimento na receita e no volume, com a reabertura e a conquista de novos mercados exportadores. "O Brasil fez um esforço imenso para reabrir mercados tradicionais e novos em 2015, o que deve resultar em crescimento das exportações em 2016", disse, em nota, Péricles Salazar, presidente executivo da Abrafrigo.

Participação

Em 2015, a participação do agronegócio na balança comercial brasileira foi a maior desde o início da série histórica, respondendo por 46,2% de tudo o que é vendido ao exterior. Em 2014, esse percentual foi de 43% e, em 2013, 41,3%.

Em relação ao valor exportado, o complexo soja ocupou a primeira posição no ranking, com US$ 27,9 bilhões. As carnes estão em segundo lugar nas vendas externas (US$ 14,7 bilhões), com destaque para a carne de frango, que representou 48% do valor exportado pelo setor de carnes (US$ 7,07 bilhões e 4,23 milhões de toneladas).

Os produtos florestais ocuparam a terceira posição. Foram exportados US$ 10,33 bilhões, dos quais mais da metade representa venda de celulose (US$ 5,59 bilhões). Em relação ao ano anterior, houve crescimento de 5,6% em valor, quando as exportações do produto haviam alcançado US$ 5,29 bilhões.

Renda

Seguindo a tendência mundial das commodities, os principais produtos agrícolas brasileiros exportados, como soja e carne, tiveram queda no preço médio. O fato levou à redução do superávit da balança, que em 2015 foi US$ 75,15 bilhões, inferior aos US$ 80,13 bilhões em 2014.

A baixa, porém, foi compensada pelos volumes recordes exportados e pela valorização do câmbio, o que sustentou a renda em real dos exportadores.

“Em tempos difíceis do cenário econômico mundial, com a queda generalizada de preços, estamos muito bem, com a venda de volumes recordes ao longo de 2015”, observa a secretária Tatiana Palermo. “A taxa de câmbio aumentou 45% desde o início do ano. Essa alta amenizou a queda nos preços das principais commodities agrícolas. A atividade agropecuária continua sendo bem remuneradora.”

O crescimento contínuo do ganho dos produtores brasileiros pode ser constatado quando se analisa os valores médios exportados em reais. Em 2015, as exportações somaram R$ 299 bilhões, aumento de 30,8% em relação ao ano anterior.

China

A China foi o principal destino dos produtos do agronegócio brasileiro em 2015, somando US$ 21,28 bilhões, principalmente em soja em grãos e celulose. O país asiático foi o destino de mais de 75% da soja em grãos brasileira exportada no período.

O segundo destino foram os Estados Unidos (US$ 6,47 bilhões) com destaque para café verde (US$ 1,18 bilhão), celulose (US$ 983,62 milhões) e álcool (US$ 451,03 milhões).

Vietnã, Bangladesh, Irã e Coreia do Sul contribuíram para amenizar a queda das exportações do agronegócio brasileiro no ano passado. Em conjunto, esses mercados registraram crescimento de US$ 1,2 bilhão em compra de produtos brasileiros no período.

Fonte: Mapa e Estadão Conteúdo
Compartilhar

Confira outras notícias

Deseja receber nossos informativos?
A empresa possui um parque próprio de remates, localizado a 14 km da nossa sede, em Cruz Alta, RS.
Site produzido pela Netface

ProgramaçãoCadastroServiçosCambará RematesFotosContatoPolítica de Privacidade

© 2015 Cambará Remates. Todos os direitos reservados.